Dra. Alessandra Haddad sentada à sua mesa em seu consultório

Câncer de pele: uma ameaça para o seu verão

Câncer de pele é tema do Dezembro Laranja.

A gente tem visto um aumento muito grande da incidência de câncer de pele no consultório e não só em paciente de idade não, cada vez em pessoas mais jovens.

O câncer de pele é o mais incidente no Brasil, sobrepõe o câncer de mama, de próstata e é por isso que a Sociedade Brasileira de Dermatologia lançou essa campanha do Dezembro Laranja, porque nas vésperas do verão se faz imperativo que a gente reforce os cuidados com o maior causador do câncer de pele que é o sol.

Câncer de pele é o mais comum no Brasil

A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) realizou, em conjunto com o DataFolha, uma pesquisa sobre os hábitos de exposição solar da população brasileira e os resultados não foram nada bons:

– 63% das pessoas não usam protetor solar no dia-a-dia;

– 4% da população nunca usa protetor, nem na praia, piscina, lago, cachoeira, etc;

– Mais de 4 milhões de brasileiros já tiveram câncer de pele;

– Em 2016 serão cerca de 176 mil novos casos de câncer de pele não melanoma no Brasil.

E você, faz parte dessas estatísticas?

Na cirurgia plástica a gente tem visto casos e casos em que as reconstruções depois da retirada de um câncer tem ficado maiores. Ele pode deformar e até matar, por isso é importante que a gente saiba como prevenir.

Como fazer para evitar o câncer de pele?

A fotoproteção adequada é o fator número 1 da prevenção contra o câncer de pele num país tropical como o nosso, onde o sol está em qualquer lugar, principalmente no verão. Então, para usar o sol de forma saudável, veja algumas dicas:

– tomar sol antes das 10h e depois das 16h;

– usar protetor solar sempre que se expuser ao ambiente externo, principalmente no verão;

– usar também boné, chapéu, guarda-sol;

– e o principal: aplicar filtro solar e reaplicar a cada 2 horas.

O filtro solar é o nosso maior aliado contra o câncer de pele.

Manchas escuras na pele? Pode ser melasma. Leia mais aqui.

Você usa filtro solar corretamente?

Pra você ter uma ideia, se um adulto aplicar o filtro solar conforme a gente indica que é o ideal, sabe quantos dias vai durar um frasco de filtro solar? 3 dias. Normalmente a gente leva 1 pra praia, usa o verão inteiro e ainda traz o troco de volta pra casa, ou seja, nós não estamos fazendo uma fotoproteção adequada.

E a fotoproteção é ainda mais importante nas pessoas de pele clara, olho claro, nas crianças e nos homens (que não têm tolerância de passar filtro solar).

As crianças a partir dos 6 meses devem ser protegidas e a aplicação do filtro é responsabilidade dos pais, até que o filho tenha autonomia para fazer isso sozinho.

Falando em verão, quer acabar com as gordurinhas antes de ir pra praia? Clique aqui.

Existem muitos filtros no mercado. Qual escolher?

Existem basicamente dois componentes nos protetores solares: um físico e outro químico.

O físico, também chamado filtro de barreira, barra o sol, ou seja, o sol chega, bate e não entra na pele, é o exemplo do Hipoglós. Os filtros físicos são mais baratos e mais naturais, mas são menos cosméticos.

E junto com os filtros físicos há geralmente uma mistura de filtros químicos, que são mais cosméticos. Nesse caso, o sol chega, bate no filtro, reage quimicamente com o filtro e essa é a defesa.

Geralmente os filtros têm uma mistura de físicos e químicos, porque o físico dá uma proteção boa, com bom custo e menos alergia, e o químico dá uma cosmética melhor.

Nas crianças e nas pessoas de pele sensível os filtros físicos são melhores, quanto mais físico melhor. Já nos adultos uma mistura dos dois filtros pode ser ideal.

Qual o fator de proteção que eu devo usar?

Em geral, o filtro FPS 15 se aplicado de 2 em 2 horas dá de 93 a 95% de proteção, então por que algumas pessoas recomendam filtro 30, 50, 60 e até 100?

Essa proteção adicional de 93 a 95% que esses outros filtros dão pode ser muito interessante em pessoas que já tiveram câncer de pele, que têm fatores de risco genéticos para o câncer de pele, que estejam em tratamentos dermatológicos e que precisam proteger a pele do sol ou que tenham problemas dermatológicos que se agravam com a exposição ao sol, como por exemplo melasma.

Neste grupo de pessoas o aumento da proteção do FPS 15, 30, 50, 60, dependendo da indicação do médico, vale muito a pena, por isso a gente leva em consideração uma gama de coisas na hora de escolher o fator de proteção: tipo de pele, idade do paciente, a necessidade, a demanda, a disciplina.

É muito importante que você seja orientado sobre qual o filtro ideal para sua pele. Se você tem mais alguma dúvida, entre em contato com a gente que vai ser um prazer adequar esse monte de filtro solar que a gente encontra no mercado à sua pele.

Não deixe o câncer de pele pegar você. Proteja-se.

Verão também é época de mosquitos. Saiba quais cuidados tomar quando usar repelentes.

Standard